domingo, 3 de agosto de 2008

Eventualmente


Acabo a pensar que acreditamos no Amor Eterno porque não queremos acreditar na Solidão.
Procuramos, deixamos de procurar, achamos que fomos encontrados, nós, que estavamos perdidos...
Olhar nos olhos do outro e ver tudo o que sempre quisemos. Agradecemos a sorte que temos, fazemos promessas e juras de amor que durarão para sempre. Eventualmente.
Passeios de mãos dadas no parque, velas num jantar e viagens até ao outro lado do Mundo.
Somos intocáveis, o Tu e o Eu, que seremos Nós. Havendo nós... caminharemos ao lado um do outro, sem ter de chegar a casa e não termos ninguém à espera, teremos sempre um ombro amigo, um conselho a seguir, alguém que puxa o barco por nós quando os nossos braços ficam cansados e queremos deixar repousar a nossa cabeça e enxugar as lágrimas de algo que passará. Que passaremos. Juntos. Eventualmente.
E depois, vem um dia em que vislumbramos que aquele olhar, que nos fez estremecer o corpo, que trouxe as borboletas e nos aqueceu a alma... está destinado a outra qualquer alma gémea, perdida, que procura aquilo que nós já achámos. Eventualmente.
Todos os "para sempre" reduzem-se até ao "houve um dia" e, depois, ao "a partir de hoje". Ficamos Nós, os Eu's, sozinhos com os nossos (des)encantos, acreditanto que não foi para sempre porque o para sempre vem (para) sempre a seguir.
E a verdade é que aquele olhar que pensamos que, naquele segundo, mudou as nossas vidas, de facto, fê-lo.
Nunca nada será igual e viveremos sempre com os "para sempre", preferindo sempre o Amor (des)Eterno à Solidão, acreditando que existe e que, um dia, ele dará connosco.

Eventualmente.

21 mentes brilhantes já se revelaram:

MS disse...

Posso discordar (obviamente respeitando as opiniões e sentimentos por trás do teu "post") ? Amor Eterno ou Solidão? Que tal "solitude"? A própria pessoa adorar estar simplesmente com ela própria. É que hoje em dia parece que anda tudo fanático por encontrar "alguém" como se isso fosse algo de primordial para o seu bem-estar próprio.É mentira que uma mulher precise de um homem para ser feliz e vice versa.Isso só é verdade quando as pessoas não estão em equilíbrio com elas próprias como dizem os budistas. Mas que doi, isso doi. Aí dou-te razão.

Gosto muito do teu blog.

Maria disse...

MS: concordo plenamente com o que acabaste de escrever. Antes da companhia do outro, está o gostar da nossa própria companhia. Somente. * obrigada

MS disse...

"Gostar" da nossa companhia e disfrutá-la. É o saber ir à praia sozinha/o,ir ao cinema sozinha/o, ter um hobby.Tanta vez que já fui a clubes de jazz sozinho.

Leila* disse...

Eventualmente*

Pimentinha dos Pitos disse...

Parabéns. Escreves magnificamente. Em relação ao tema em questão acho que não pretendias mostrar, como sugerem alguns comentários, a vida sem o amor eterno, como uma vida de solidão no sentido real da palavra. Quantas pessoas conheço que vivem acompanhadas e sofrem de imensa solidão. O que querias mostrar era a eterna busca pelo amor eterno mesmo tendo tu a consciência que os "para sempre" vão mudando ao sabor das nossas vidas. O simples facto de existir esse objectivo dá mais sentido à vida.
Bjs

Mokas disse...

é Exactamente aquilo que o "ms" refere...
(Ah bolas... eu não gosto nada de fazer esta cena de "ah e tal concordo com o X" mas é mesmo isso.)

Mokas disse...

é Exactamente aquilo que o "ms" refere...
(Ah bolas... eu não gosto nada de fazer esta cena de "ah e tal concordo com o X" mas é mesmo isso.)

gio disse...

Não acredito que alguém seja feliz sozinho.
Sozinho é o nome de uma ilha onde queremos ir de férias, nunca habitar.

gio disse...

Solidão é o nome da ilha...

Mokas disse...

Gio, isso é tudo muito bonito, mas há que saber estar sozinho/a. Só então saberás estar acompanhado/a.

gio disse...

Convém...
Estar sozinho/a nem sempre é a primeira escolha.

MS disse...

Mokas desculpa, mas apesar de me dares razão caíste numa falácia ...
"... ... Só então saberás estar acompanhado/a ... ... " Eu não acho que seja vital ter como objectivo estar acompanhado. Faço o que me apetece por que me apetece. Quem me quiser acompanhar é que é sempre bem-vindo.

MS disse...

é uma perpectiva de vida que te salva naqueles dias em que de facto ninguém está disponível para combinar alguma coisa que seja, mas que por outro lada te torna um pouco mais frio.Também acredito que seja mais fácil para os homens lidar com isto, porque "elas" têm uma muito maior necessidade de verbalizar ... enfim ... mulheres...(sem insulto)

MS disse...

Queria em primeiro lugar corrigir um erro: Faço o que me apetece "porque" me apetece e em segundo lugar reiterar que o meu último comentário não deve ser visto como um insulto às mulheres.

Mokas disse...

Caro "MS",
creio que aí haja qq tipo de incorrecção na interpretação relativamente ao meu coment.
Não expresso que o objectivo seja estar acompanhado.
O que eu pretendo expressar é, precisamente, que devemos saber apreciar a nossa companhia e, quem quiser, venha. Se não vier, tal n representa qualquer tipo de problema.

shark disse...

Não vos percebo. Então a vida tem alguma piada sem a companhia delas?
Querem fazer a apologia da solidão quando há tanta coisa magnífica que só faz sentido partilhada?
Um gajo é o quê sem ter com quem viver as suas experiências? Viver sozinho é fácil, o desafio está em conseguir fazê-lo em harmonia com outrem.

O pensador disse...

E eu, por minha vez, pergunto-me o que poderá levar pessoas manifestamente inteligentes acreditarem que possa haver um "amor eterno"?

Não levem a mal, estou mais que familiarizado com as hiperboles mas utilizo-as apenas quando sei que o leitor saberá identifica-las no imediato e rir-se à conta delas!
Mas num post e num tema tão sério quanto este?

A margem, poderei até acreditar num "amor vitalicio" (amar enquanto formos vivos), mas agora, amor eterno (que nem a morte consegue acabar)???
Que é isso?
O amor visto em forma de utopia?
Quem é que sabe o que vai acontecer passar após a morte?
Se leram na adoslescência muitos livrinhos cor de rosa onde consta que a alma dos amantes vão viajar através dos astros e fazer sexo em cima de jupiter ou neptuno, digo-vos já que é melhor tirar o cavalinho da chuva porque tudo isso não passa de quimeras e fantasias.

Já concordarei mais com o Ms, mas ainda assim com uma ressalva.
«..É mentira que uma mulher precise de um homem para ser feliz e vice versa..»

- Uma mulher não precisa de um homem para ser feliz (e vice versa), mas precisará indubitavelmente de várias pessoas ao longo da sua vida para ser feliz!
A solidão ou solitude conseguem trazer por vezes uma felicidade momentânea mas ela jamais durará muito tempo.
Quem diz que se sente feliz na solidão, só está a tentar justificar o facto de estar sozinho(a)....

Evinha disse...

..nem imaginas como senti isto que li.
..é que neste momento estou precisamente na parte: «Ficamos Nós, os Eu's, sozinhos com os nossos (des)encantos, acreditanto que não foi para sempre porque o para sempre vem (para) sempre a seguir.»
..e de vez em quando, ainda "caio" na parte (esta escrita por mim)..«se calhar este "para sempre" falhado, ainda pode ser um "para sempre"..»

Bia disse...

Bem, só tenho uma palavra a este teu texto: uau.
Atingiu-me num nervo qualquer, daqueles que doem quando reconhecemos o que foi escrito, como se tivesse vindo de nós.

MiSs Detective disse...

NEM MAIS! o melhor que li aqui. nem mai nem mais nem mais! e este texto faz-me regressar à blogoesfera.

Spiral Out disse...

A beleza não estará no acreditar e na busca?